© Gabriela Ruivo Trindade

Os conteúdos deste blog estão protegidos por direitos de autor
© Gabriela Ruivo Trindade

Thursday, 14 November 2013

Baixas pressões

Por aqui, o cinzento desprende-se, vagaroso, das nuvens baixas, e cola-se-nos à alma. Andamos pardacentos, cabisbaixos. Deprimidos. Sabem o que é uma depressão? É um centro de baixas pressões, também conhecido por ciclone. A instabilidade do ar produz a sua elevação, dando origem a nuvens e precipitação. Os ventos ascendentes favorecem a formação de nuvens na vertical, que podem originar fortes chuvadas e aguaceiros. As baixas pressões produzem a instabilidade, a ascensão, a leveza do ar, ao passo que, nas altas pressões, o ar afunda-se, vindo de cima, aquecendo e ficando mais estável, formando uma espécie de tampão que tranquiliza a atmosfera envolvente, como um abraço quente e apertado.
A leveza e a ascensão produzem a instabilidade e o mau tempo. Talvez seja por isso que os sonhadores, aqueles que andam sempre nas nuvens, sejam mais vulneráveis às depressões, ao passo que quem tem os dois pés bem assentes na terra não sofra tanto com os desvarios da alma. Será que a nossa cabeça funciona como o ar que a envolve? Não sei, mas não deixa de ser curioso. A nós, quando a pressão é grande, salta-nos a tampa e gera-se a instabilidade, ao passo que, tantas vezes, ansiamos por soltar-nos,  aliviar a pressão e quiçá deixar-nos levitar, em movimento ascendente, para assim encontrar a idílica paz de espírito, ou seja, a estabilidade. Exactamente o oposto das condições atmosféricas, já repararam?
Por outro lado, se calhar até se podem encontrar paralelismos: na depressão (clínica) temos então uma espécie de ausência do espírito, em que os pensamentos se espalham no ar; se perdem, sem rumo; nos voam da cabeça como aves distraídas. Andar nas nuvens mais não é do que essa impossibilidade de contenção e consciencialização das ideias. Como se sofrêssemos de alguma incapacidade de nos centrar, de manter sólida a estrutura mental, afinal o alicerce principal da personalidade e estabilidade psíquicas; e que essa estrutura, em lugar de sólida, fosse líquida ou gasosa e se volatilizasse no ar, transformada em sonhos, devaneios, ilusões, nostalgias. A tristeza, sintoma central da depressão, talvez não seja mais do que a impossibilidade de nos sentirmos inteiros, de nos reunirmos num corpo coerente e lógico. Como se andássemos perdidos pelo cosmos, sem eira nem beira, varridos e espalhados pelo vento. A tristeza nasceria em cada partícula nossa, cada pequena partícula vagueando errante, sem saber quem é e a quem pertence; sem saber para onde vai nem com que objectivo .
E muitas vezes as pessoas deprimidas queixam-se disso mesmo: alheamento e despersonalização: não sabem quem são nem o que querem e sentem-se incapazes de conduzir a sua vida, como se não estivessem cá, e sim perdidos, algures, noutro mundo; um mundo etéreo onde a realidade perde os contornos e sobrevivem sentimentos de culpa, desvalorização e derrota.
Até pode ser. Mas, eu cá, não troco por nada, aquela sensação de andar nas nuvens.

Sunday, 3 November 2013

Que Importa A Fúria Do Mar, de Ana Margarida de Carvalho

Este livro não se devora; e não se devora porque precisa de ser digerido com vagar, com tempo para saborear e ruminar; com tempo para parar e voltar atrás e ler de novo, seja porque a beleza da descrição nos faz querer beber lentamente e ao minuto cada palavra, ou porque a acidez de algumas passagens nos arde na boca do estômago, ou talvez ainda porque as lágrimas nos inundam os olhos de pura comoção e a vista se nos turva. É um livro que não se lê; sente-se. Ouve-se. Cheira-se. Entranha-se. E quando damos por nós estamos lá dentro. No meio do campo, a ouvir os sons da bicharada; aos solavancos no comboio, ao lado de Joaquim, naquela viagem infernal a caminho da incerteza; no olhar entediado de Eugénia, contando as moscas, procurando evadir-se, sem nunca repousar, sempre ausente e perdido entre os seus abismos e o mundo, o passado e as memórias; e depois, finalmente, apaixonado, deslumbrado, amedrontado, extasiado, tudo ao mesmo tempo, que quando dá por ela e já não consegue domar nem dominar os sentimentos que lhe brotam ao desbarato dos poros. Na frigideira no Tarrafal, em morte lenta, abafada, asfixiada; no mar lodoso de algas moribundas até à cintura, e no alívio das feridas ardendo na água salgada; na fúria do mar que amaldiçoa quem o ousa abandonar com o cheiro putrefacto das coisas mortas. Este livro tem vida e apodera-se de nós e quando damos por isso já não há nada a fazer, recusamos acordar do sonho e ficamos parados naquele segundo eterno em que os olhos se perdem no azul do mar, lá ao fundo, ao virar da última página; e é na nossa cara que o vento bate de chofre, no embalo da corrida até à última palavra, mar, numa promessa de eternidade.

Friday, 1 November 2013

O Relato De Uma Perspectiva Inusitada

15 de Outubro de 2013

10.57
Estamos prontos para mais uma viagem. Quase que conseguimos sentir a comichão nos dedinhos, se ponderarmos que meros acessórios de calçado podem sentir o que quer que seja. Não se iludam, é verdade: ainda que inanimados, sentimos tudo. E aquela sensação nos dedos de quem se prepara para dar no pedal durante a próxima meia hora é inequívoca.

10.59
Espera, algo aconteceu. Ela está de telefone na mão a olhar para o ecrã com ar interrogativo. Os pés sabem-no, e nós, já se sabe, somos uma caixa de ressonância destes apêndices corporais. Os órgãos principais do corpo humano. Qual coração qual carapuça! Não passa de um músculo, uma bomba em permanente rotina, limitando-se a engolir sangue e a cuspi-lo de volta à grande e pequena circulação; como pode saber de alguma coisa se nada retém, mero orgão de passagem, toma lá dá cá e toma lá outra vez, um operário numa linha de montagem que, em vez de montar, apenas passa as peças de um lado para o outro? O cérebro? Sim, pois claro, esse julga-se o rei da parada, o comandante, sempre a dar ordens. É só isso que sabe fazer, aliás. Tretas. Quem, afinal, executa as ordens, quem sente na pele, quem incorpora as vias sensoriais, sensibilidade em acção-reacção? A força dos braços, das pernas, dos pés? Quem?

11.00
Pronto, isto vai demorar, ela está a falar com alguém ao telefone. É estranho que uma actividade tão simples traga tanto alvoroço. Podemos sentir o modo como os pés parecem ansiosos por se livrarem de nós. Esta relação dos pés com os artefactos que lhes servem de casa não é nada fácil, sabem? Se por um lado somos um escudo protector, um aconchego, uma casa na verdadeira acepção da palavra, por outro podemos ser vistos como uma prisão, um sufoco, uma mordaça. O humor dos nossos inquilinos é muito volátil e oscilante; de um minuto para o outro passam do amor ao ódio, do ai que bem que se está aqui no quentinho e tal, para o ai que não posso, tirem-me daqui, preciso de ar, deixa-me em paz, larga-me da mão (neste caso do pé), desaparece! É uma dor de cabeça, acreditem. Ou deveríamos dizer dor de calcanhar?

11.02
Ui, agora está para ali a gaguejar ao telefone. Diz que não acredita, que não pode ser verdade. Será que morreu alguém? Não nos parece, porque, lá está, mais uma vez, podemos sentir as vibrações destes membros irmãos, e elas dizem claramente que o estado geral é de excitação e alegria. A tristeza provoca uma frequência muito mais baixa nas transmissões nervosas.

11.10
Ora pronto, já vamos a caminho. Estávamos a ver que a porcaria do telefonema não acabava. Mas não estamos nada tranquilos, que a mulher continua com o sistema desaparafuzado dos carretos. Ela que é sempre tão calma a conduzir, vai para aqui de coração a sair pela boca (aqui está outra coisa que demonstra a superioridade dos pés: estes jamais sairão, ou ficarão prestes a sair, pela boca), e fala sozinha, ainda por cima. Será que enlouqueceu, a tipa? Ri-se, e repete, não posso acreditar, não posso acreditar. O que vale é que não temos tempo para pensar muito, porque quando os pés entram em acção desta maneira, embraiagem para baixo, travão, acelerador, (ai como ela acelera, caramba!) a nossa capacidade de raciocínio diminui consideravelmente. Não sei se nos entendem. Deve ser assim como tentar equilibrar uma maçã na cabeça, num cavalo a galope.

11.53
Ufa! Sobrevivemos. Não houve acidentes de percurso, apesar do nervosismo agora por demais evidente da nossa pessoa. É assim que chamamos à pessoa a quem pertencemos. Engraçado, não é? Considerados meros acessórios, bens adquiridos pela vontade própria e o produto material do vosso trabalho, uma vez que os pés se embrenham nas nossas entranhas, acontece esse milagre invisível aos olhos comuns dos mortais: apropriamo-nos das suas sensações, pensamentos, humores, sentimentos. Numa palavra: da alma. Não sabiam que a alma mora nos pés? Santa ignorância! Estudem mas é os tipos orientais, eles já sabiam de tudo há não sei quantos milhares de anos.

12.05
Que frenesim! O telefone ainda não parou e ela parece uma matraca, e ainda por cima repete-se, a conversa é sempre a mesma. Nada percebemos da realidade mundana, por isso não compreendemos o significado das palavras, são uma espécie de dialecto chinês. Aquilo que nós captamos são as ondas químicas que descem pela corrente sanguínea, e aí está toda a informação de que precisamos para saber do estado de espírito da nossa pessoa. Que se poderia descrever de eufórico, não fosse pelo atordoamento dos gestos. As palavras, talvez vocês as consigam decifrar.

12.25
Lá está ela a repetir pela milionésima vez a história deste homem que pelos vistos era tio avô da avó e que agora, sabe-se lá por que carga de água, ficou subitamente tão importante para as pessoas que insistem em telefonar-lhe. E está a dizer que ainda não tinha pensado nisso, pois, nós sabemos bem como os seus neurónios andam atrofiados desde o primeiro telefonema. Ainda não tinha pensado no facto de ser a primeira mulher a receber o prémio. Isto somos nós a traduzir, que é para ver se vocês conseguem fazer algum sentido do que se passa, que como já dissémos as palavras para nós não têm qualquer significado, são hieroglifos egípcios. Mas somos mestres em metáforas, lá isso somos. Isto de albergar os pés de alguém dá-nos subtilezas inusitadas.

12.26
Diz ela que embirra com essa coisa do masculino e do feminino. Os nossos inquilinos estão num alvoroço. Eles ouvem tudo, acreditem. Sentem. Pois esta coisa de ser a primeira mulher a receber o prémio acendeu uma luz qualquer, a voz dela ficou assim mais acesa, o coração palpitou. Mas depois a pergunta levou-a para outro território, que é o da escrita no masculino e no feminino, e isso, desculpem lá, já não lhe faz sentido nenhum, a escrita não tem género, nem a literatura, é essa a questão da sua embirração. Já estamos a aprender alguma coisa, porque a sabedoria, meus caros mortais, está na planta do pé. Quem melhor conhece as pedras do caminho, a dureza do chão, a profundidade do rio? É verdade, também temos queda para a poesia. Todos os dias atracados aos pés dela dá nisto.

13.35
E a odisseia continua. Com a diferença de que agora, em conjunto com o som da voz, conseguimos ouvir também os roncos do estômago. A pobre ainda não comeu nada desde que chegou. Não consegue; está de tal maneira agarrada ao telefone que parece que a própria vida depende desse gesto. Pronto, agora desligou e vai para a cozinha. Os nossos inquilinos estão a ferver tanto que tememos que ela se lembre de se livrar de nós a qualquer momento; aliás, estranhamos o facto de não o ter feito mal entrou em casa, como é seu hábito diário, mas isto hoje tem de se lhe dar um desconto, que nada do que faz ou diz é habitual. Se tal acontecer, meus amigos, acabou-se o relato, porque só conseguimos ler-lhe os pensamentos se encaixados nos nossos devidos lugares.

14.53
E o telefone toca de novo. E ela desta vez diz para o marido, deixa tocar! É que, coitada, já interrompeu o almoço umas quatro ou cinco vezes. Nada a fará levantar-se da mesa neste momento. Desconfiamos que só mesmo um segundo prémio literário.

23.54
Sobrevivemos a mais um dia. E que dia! A sério que chegámos a temer pelo pior. Estamos exaustos de tanta electricidade. Agora, finalmente, descansamos, no nosso poiso habitual, à porta de casa. Somos mais do que uma caixa de ressonância, sabem? Somos assim uma espécie de contentor. Por isso ainda sentimos as vibrações todas dentro da camurça que nos reveste. A casa está em silêncio, provavelmente todos dormem, já. Menos nós, que com este tornado entranhado na pele torna-se impossível. Ainda estamos de nervos em franja com tudo o que acabou de acontecer. Não foram só os telefonemas. Imagens no computador. Mensagens da família, dos amigos, e de muitos outros que nem sequer conhece. Foi isso que a comoveu mais, essa enxurrada de gente a dar-lhe os parabéns. E as poucas notícias de jornal que conseguiu ver deixaram-na zonza, com aquela sensação de irrealidade, de estar a sonhar, de achar não ser possível isto estar a acontecer. Mas está. Os pés sabem-no, melhor do que ninguém. Os pés são quem sustenta, quem permite o equilíbrio, ainda que o chão se incline, ou se abata, ou desapareça. E nós somos a sua casa, o seu porto de abrigo, o seu aconchego. A cabeça, coitada, faz aquela pergunta parva, será que o coração aguenta? Qual quê! Quem aguenta somos nós! Sim, que de tanto os albergar, chegamos a confundir-nos com eles, os nossos inquilinos. Confusão de identidades. Isto agora dava para aqui uma palestra de Psicologia, mas essa parte, desculpem lá, é areia de mais para a nossa trotinete. Essa coisa das psicologias fica mesmo só lá na cabeça. Pobre cabeça.

(publicado no Diário do Jornal de Letras de 30 de Outubro de 2013)