© Gabriela Ruivo Trindade

Os conteúdos deste blog estão protegidos por direitos de autor
© Gabriela Ruivo Trindade

Monday, 10 October 2016

Grandes e pequenos idiotas

Assim como há grandes e pequenos filhos da puta, também há grandes e pequenos idiotas. Os pequenos idiotas não trazem grande mossa ao mundo; já os grandes idiotas não podem passar despercebidos. Não estando nunca contentes com o seu tamanho, esforçam-se constantemente por ser maiores e melhores idiotas. Claro que se acham o máximo, e claro que os outros é que são os idiotas, na sua perspectiva. As suas opiniões deveriam até ser emolduradas a ouro e penduradas nas paredes. Que digo eu? Deviam erguer-se monumentos nacionais às suas ideias brilhantes e visionárias. O grande drama do grande idiota é precisamente este: ninguém parece reparar que só do seu cérebro milagroso é que brotam pérolas dignas desse nome, que só da sua mente genial é que se eleva, qual ave rara e perfeita, a verdade absoluta. Que fazer, então, para que o mundo repare neles? Aqui começa a grande luta do grande idiota. Há que embandeirar a maravilhosa e prodigiosa obra da natureza que transportam nos seus crânios. E, claro, como grandes idiotas que são, só encontram uma maneira de o fazer: derrotando todos os edifícios ideológicos diferentes do seu; as ideias e opiniões que não coincidem com as suas, as teorias que abarcam diferentes pontos de vista, tudo isso é reduzido a pó, espezinhado, enxovalhado, calcado com ambos os pés, e cuspido em cima. Mas aqui os grandes idiotas cometem um erro crasso (como não poderia deixar de ser, dada a sua condição de grandes idiotas): em lugar das ideias alheias, eles atacam as pessoas que têm essas ideias. Em vez de discutir e argumentar, eles apenas sabem ofender e humilhar verbalmente quem manifesta uma opinião contrária. E neste ataque pessoal tudo vale, o objectivo é só um: denegrir e humilhar o outro. Estratégia que revela bem o quão pobres de espírito estes grandes idiotas realmente são.

Outra das características dos grandes idiotas é que nunca dão o braço a torcer. Recuar, pedir desculpa? Que é isso? Que humilhação para suas excelências! Aliás, eles NUNCA se enganam. NUNCA se excedem, NUNCA exageram, NUNCA fazem nada errado. Ou não fossem eles donos e senhores da VERDADE ÚNICA E INQUESTIONÁVEL. Têm uma missão na terra, que é a de combater eficaz e ferozmente a imbecilidade dominante (a dos outros, como é evidente), responsável, segundo eles, pelos grandes males da humanidade. E nesse combate levam tudo à frente.

Desgraçadamente, o seu discurso assemelha-se perigosamente ao de um presidente de um país, que também ele, querendo erradicar o mal e a podridão da face da terra para assim dar lugar ao florescimento da, segundo ele, raça superior, usou um povo inteiro como bode expiatório, com o resultado que todos nós tão bem conhecemos. O perigo para a humanidade que os grandes idiotas representam torna-se claro, precisamente, quando eles chegam (ou ficam prestes a chegar) a altos cargos de poder, onde têm nas mãos as armas para decidir sobre a vida de milhões de pessoas.